sábado, novembro 05, 2011


A História do Esmalte

0
                                                             


Ao falar sobre esmalte, muitas pessoas logo se lembram do hábito que muitos têm em pintar ou reforçar as unhas através dessa mistura química que pode ser incolor ou multicolorida. As mulheres, em sua maioria, se perdem na infinidade de cores (muitas delas com nomes incompreensíveis) que prometem um visual mais elogioso ou mais antenado.
Apesar de tantos usos na contemporaneidade, o esmalte já integrava o cotidiano da realeza do Antigo Egito. Por volta
 3500 a 3100 antes de Cristo, as egípcias tingiam as unhas. A princípio com a cor preta, depois, mais claras e com tons do marrom claro ao preto com henna. No Império Romano passou-se a valorizar o polimento das unhas, que em geral era feito com materiais abrasivos.

Já na China antiga as unhas compridas eram cultuadas como sinônimo de nobreza.
Tudo começo com lacas derivadas de goma e resina natural, dissolvidas  em óleo. De secagem lenta, após a evaporação a película absorvia a poeira e saía com facilidade.
Já na idade moderna, em 1800 as unhas femininas apresentavam-se curtas, moldadas a lima, levemente arredondadas. Ocasionalmente eram perfumadas com óleo vermelho e polidas com couro macio.
Em 1830 na Europa, o físico Dr Sitts, inspirado pelos palitos de dente desenvolve o primeiro instrumento de manicure. Com este instrumento a cutícula podia ser empurrada gentilmente para trás. Antes desse instrumento a cutícula era removida com todo tipo de metal, ácidos e tesouras.
A sobrinha do Dr. Sitts, em 1892 desenvolveu novo instrumental, fazia palestras sobre como tratar da cutícula e com isso surgiram os primeiros salões de manicure.

                                  

Em 1900 era comum usar tesouras e limas metálicas para dar forma às unhas. Para polir eram usados cremes colorantes e pós. Há havia um modelo precursor  de esmalte de unha como o conhecemos hoje. Este esmalte era aplicado com um pincel de pelo de camelo, entretanto, este esmalte não permanecia mais que um dia nas unhas.
Em 1910 foi fundada a primeira empresa de produtos de manicure em Nova York a Flowerey Manicure Products. A empresa produzia o famoso Emery Board , um tipo de lixa metálica que tornou-se um produto básico para o tratamento de manicure. Mas em 1914 uma mulher, Ana Kindred registra em Dakota do Norte, EUA a patente para a proteção das unhas.
Em 1917 a Vogue publica um anúncio Não Corte a Cutícula. Use a técnica Simplex, de Home Manicuring. O conjunto incluía um removedor de cutículas, um polidor de unhas, esmalte de unha, uma caneta branqueadora de unha, uma lixa (já de papelão) e um folder com instruções para fazer as unhas em casa.
Mais e mais mulheres querem unhas brilhantes e  usar abrasivos, pastas ou pós polidores.
Já em 1920 as estrelas de cinema são maquiadas de acordo com o “esquema de características infantis”: olhos destacados, bocas grandes, narizes pequenos, cabelos curtos e magreza de rapazes. Ainda não havia exatamente um esmalte de unhas. Entretanto, a indústria automotiva criou a base dele, desenvolvendo esmaltes para carros.
Finalmente foi lançado em 1925 um esmalte de unha transparente, em tom rosado. Ele é aplicado no meio das unhas – a meia lua e a ponta das unhas ficavam nuas. Para a responsável pela manicure na Metro Golden Mayer, então o estúdio de cinema mais popular dos Estados Unidos, Beatrice Kaye, os anos 20 e 30 eram os anos da manicure estilo meia lua.

A cutícula era removida e a unha preenchida apenas ao centro. Mais tarde o esmalte seria aplicado à unha, mas não na meia lua junto à raiz (a lua). Esa época proibia mulheres de reputação usar esmaltes muito chamativos, de cores fortes.
Em 1930 Rita Hayworth, Gloria Swanson e Jean Harlow promovem o uso de esmaltes internacionalmente.
Em 1932 Charles e Joseph Revlon dois irmãos americanos, mais um químico criam o esmalte brilhante e colorido com pigmentos, para ser aplicado na unha toda. Nasce a marca Revlon e eles promovem pela primeira vez a tendência de maquiar os lábios e unhas da mesma cor.                                       

Em 1970 começa a  década dos esmaltes sintéticos. As unhas tornam-se extremamente longas através de várias técnicas e estão na última moda.
Os  esmaltes acrílicos são sucedidos pelos esmaltes de fyber glass  em 1980. A decoração dos esmaltes não é mais limitada aos esmaltes – pedras preciosas e vários acessórios entram em uso. Surge a profissão de designer de unha.

                                                                              esmalte Esmalte de unhas   Composição


Bom meninas, espero que tenham gostado ...È o que tem pra hoje rsrrs,Achei interessante que vocês soubessem da historia do esmalte, já que somos todas tão viciadas nisso rsrs
Até a próxima;
Beijinhos !

x_3bbff2ef

0 Lindas Comentaram:

Postar um comentário